Por que empresas que seguem a lei LGPD possuem um diferencial competitivo?


Mais do que uma mudança legislativa, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD nº 13.709/18), que entra em vigor em agosto de 2020, deve gerar uma transformação nas empresas.

Por Carolina Mendes | MTB:0082117/SP | 17 de maio, 2019

Mais do que uma mudança legislativa, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD nº 13.709/18), que entra em vigor em agosto de 2020, deve gerar uma transformação nas empresas. Trata-se de uma norma específica para cuidar do bem mais valioso da sociedade digital: os dados.

Até os dias de hoje, cada organização utilizava os dados do cliente de forma aleatória. A lei, contudo, impõe padronização. “Podemos dizer que vivíamos um período em que muitos dados dos usuários eram capturados sem conhecimento ou sem estar clara a finalidade de uso ou, mesmo, o prazo de uso. Agora, com as novas regras, o titular dos dados estará mais empoderado”, explica a advogada especialista em Direito Digital, Patricia Peck Pinheiro para a Revista ECCO Contabilidade.

O que são considerados dados pessoais segundo a LGPD?
São considerados dados pessoais, não só nome, sobrenome, apelido, idade, endereço residencial ou e-mail, mas também todas as informações que tornam possível identificar uma pessoa, como placas de automóvel, perfis de compras e Internet Protocol (IP), por exemplo.

Transparência é a palavra de ordem desta nova lei. Assim, empresas precisarão pedir o consentimento do cidadão para utilizar qualquer dado, e não vale apenas incluir nos ‘Termos de Uso’, será preciso informar de forma clara.

O regulamento de proteção de dados dos países da União Europeia já está vigente desde maio de 2018. “A LGPD é importante por inserir o Brasil no rol de países com os quais a União Europeia poderá compartilhar dados, equiparando-se às exigências globais de proteção de dados e fomentando diversos setores da economia”, afirma a advogada especialista em relações do trabalho e sócia do Costa Tavares Paes Advogados, Cristina Buchignani.

Transferência de informações segura via Streaming
O desafio está lançado, a empresa que não se adequar ao tratamento de uso dos dados, vai acabar perdendo cliente. A Easy Analytics já está dentro do padrão do futuro, e não guarda os dados dos clientes. É tudo via streaming na nuvem. Este será um diferencial competitivo já que proporciona segurança à clientela que a concorrência ainda não conseguiu oferecer.

A Medida Provisória prevê fiscalização e a imposição de multas, que podem chegar a 2% do faturamento da empresa. Por isso, os responsáveis por tecnologia da informação, marketing e departamento pessoal serão os mais exigidos e treinados.

Voltar